Agentes de Endemias concluem campanha municipal de combate ao Calazar

Agente em atividade na campanha

Os Agentes de Endemias de Maturéia concluíram no final do último mês, dia 30 de Agosto, a campanha de combate ao Calazar, com a realização de atividades voltadas à captura do mosquito-palha (Phlebotominae), agente transmissor da doença Leishmaniose visceral. Além das atividades de captura, foram transmitidas orientações sobre os cuidados a serem tomados para evitar a criação do mosquito em casa. 

A campanha aconteceu do dia 15 a 30 de agosto, realizada pelos agentes de endemias Fábio Alves Jerônimo, Jose Lipe Martins de Souza e o Supervisor de Endemias em Maturéia, José Arlindo Pontes. A captura dos mosquitos-palhas ocorreu na zona rural do município, no horário noturno, pois é ao anoitecer e nas primeiras horas do dia que o mosquito ataca. “Primeiramente escolhe quatro ou três sítios do município, no caso da gente foi três, escolhe dez casas e trabalha três noites seguidas na mesma casa e no mesmo horário, para saber o horário que o mosquito tem mais saída, a gente fez nos sítios Tauá, Monte belo e Cafundó” explicou a agente Fábio Jerônimo sobre a campanha.

Agente capturando o mosquito-palha

Segundo Fabio a campanha foi desenvolvida para fazer um levantamento das áreas que possuem índice do mosquito-palha e verificar os horários de maior manifestação dele, além de ser uma atividade para prevenir a transmissão da Leishmaniose por meio da captura do mosquito, que posteriormente é analisado em laboratório.

Também conhecida como Calazar, a Leishmaniose visceral é uma doença que pode ser transmitida para os seres humanos e para animais através da picada do mosquito-palha infectado. A doença se manifesta nos seres humanos com os sintomas de febre, perda de peso e inchaço do baço ou fígado. A Leishmaniose pode se manifestar em dois tipos, a visceral que afeta os órgãos internos dos seres humanos, geralmente o baço, fígado e medula óssea, e a leishmaniose tegumentar que provoca feridas na pele. 

Manter a casa limpa e o quintal livre de criadores de insetos é uma das recomendações para evitar a proliferação do mosquito-palha e consequentemente a Leishmaniose.”Galinheiros e animais mais distantes (da casa), fazer a limpeza a redor da casa, porque é onde o mosquito mais frequenta onde tem mais folhamento, eles ficam na parte mais orgânica”, diz o Supervisor de Endemias em Maturéia, José Arlindo Pontes,  sobre os cuidados que as famílias da zona rual devem tomar para evitar o criatório do mosquito em suas residências.   

Fábio Alves Jerônimo – Agente de combate a endemias de Maturéia 

José Arlindo Pontes – Supervisor de Endemias em Maturéia